Vamos falar de suicídio? Converse com um profissional hoje

Vamos falar de suicídio? Converse com um profissional hoje
11/10/2021

Vamos falar com nossos filhos, vamos saber escutar os medos, as ansiedades e angústias. Suicídio é o ato de causar a própria morte de forma intencional. Os fatores de risco incluem perturbações mentais e/ou psicológicas como outras. Dados compilados pela insurtech brasileira Azos indicam que entre 2014 e 2019, o número de suicídios no Brasil aumentou em 28%. No período, segundo o levantamento, as pessoas que tiraram a própria vida passaram de 9,7 mil para 12,4 mil. OMS publica orientações para reduzir taxa de suicídio em um terço até 2030.

 

Setembro Amarelo: quem fala sobre tirar a vida deve ser levado a sério "Tentam ajudar, mas não entender": o que fazer se alguém cogita suicídio? De acordo com a empresa, entre jovens de 11 a 20 anos, houve um aumento de casos de 49,6% no período. No entanto, a maior incidência de mortes por suicídio está na faixa etária que vai de 21 a 30 anos.

 

Centro de Valorização da Vida, fica disponível 24 horas por telefone e no seguinte horário por chat: Dom - 17h à 01h, Seg a Qui - 09h à 01h, Sex - 15h às 23h, Sáb - 16h à 01h. Conversei com a Psicóloga Valéria, que me responderá algumas perguntas pertinentes.

 

SUICÍDIO EM ADOLESCENTES

 

  1. Como seria um comportamento suspeito em um adolescente?

 

R: Não há um padrão, mas há alguns comportamentos que os pais e responsáveis devem ficar atentos.

Como comportamentos verbais: comentários como ‘’Gostaria de sumir’’, ‘’Queria morrer!’’, "A vida não vale a pena".

Desinteresse por atividades que antes davam prazer, isolamento, mudança no padrão do apetite, insônia, pesquisa a sites relacionados a conteúdos suspeitos, por exemplo, morte, suicídio, jogos de morte  (baleia azul).

 

  1. Como evitar?

R: Promovendo sempre um diálogo com as crianças e jovens, uma aproximação de tudo aquilo que lhes desperte interesse. A família deve fazer pelo menos uma das refeições com todos juntos, para ter a oportunidade de compartilharem como foi o dia de cada um. Assim, fica mais fácil perceber se algo de errado pode estar acontecendo com o adolescente.

 

  1. Qual tratamento para evitar um suicídio ?

R: Os tratamentos são acompanhamento com psiquiatra e psicoterapia. Atividade física regular, também é indicada, pois produz a endorfina, o hormônio do bem estar e prazer.

 

  1. Quais os fatores de risco e proteção do suicídio ?

R: Os fatores de risco são referentes às pessoas que já tentaram o suicídio alguma vez, pois tem mais chances de fazer novas tentativas, fatores genéticos, fatores ambientais, como por exemplo: problemas familiares, pais drogaditos, alcoólatras, turbulência no ambiente, fatores externos, como a pandemia, que trouxe o isolamento social e  consequentemente, vários problemas emocionais.

 

  1. Quais os indícios de depressão ?

R: Tristeza e choro fácil, desmotivação, irritabilidade, baixa auto estima, isolamento social, dificuldade para dormir/dormir demais, mudança nos hábitos alimentares: perda de apetite e peso ou ganho de peso, falta de concentração e esquecimentos, ideação suicída (forma mais grave da DEPRESSÃO).

 

  1. Crise de pânico e fobia social isso desencadeia o suicídio?

R: Vários transtornos mentais podem desencadear a depressão, entre eles o TRANSTORNO DE ANSIEDADE.  A SINDROME do PÂNICO  e a FOBIA SOCIAL, são tipos de ansiedade, que se não forem tratadas podem evoluir, dependendo da personalidade do indivíduo, para uma tentativa de suicídio.

 

  1. Como trabalhar a auto estima?

R: É  sempre indicado a pessoa fazer coisas que lhe dão prazer, e isto é algo muito pessoal. Alguns gostam de ouvir música ou tocar um instrumento. Outros gostam de praticar esportes. Há aqueles que se sentem bem fazendo um trabalho manual. Ou participando de grupos de jovens, onde há uma interação social, na comunidade ou igreja, etc.

 

  1. Como sei que perdi a auto estima?

R: Quando a pessoa perde o valor  e respeito por si mesma. Por exemplo, não consegue o básico que é fazer bem sua higiene pessoal. Não consegue valorizar suas qualidades, fica sempre procurando defeitos em si mesmo. Não sabe se posicionar diante dos outros.

 

  1. Quais os sinais de baixa auto estima ?

R: A pessoa acha tudo em si mesma de pouco valor e tem a tendência em estar sempre se comparando ao outro, de forma negativa. É insegura perante a vida, não consegue tomar decisões. Assume uma postura dependente. Não consegue ter interesse por nada.

 

  1. Recursos casuais para indicar?

R: Os tratamentos são acompanhamento com psiquiatra e psicoterapia, na prevenção quando há uma suspeita de tentativas do suicídio. Quando há a tentativa de suicídio, o protocolo é acionar de imediato os recursos médicos: chamar o SAMU (192) ou se dirigir imediatamente para uma UNIDADE DE EMERGÊNCIA, como a UPA. Pois a pessoa deverá receber imediatamente intervenção  médica. E, paralelamente assistência do psicólogo hospitalar que fará o acolhimento do paciente. Procurando, investigar com cuidado as causas que desencadearam a crise. Também fazendo orientações para a família que fica sempre em choque diante deste contexto. Depois a equipe discutirá as melhores formas de tratamento para o caso, junto ao paciente e seus responsáveis.

 

Valeria Zucco Strini Matrangolo – Psicóloga/Neuropsicóloga

SERMED SAÚDE PREVENTIVA                                                         

Clinica ESPAÇO ARVORECER – 3511-2355