Qual é melhor? Tirzepartida, Liraglutida ou Semaglutida ?

Qual é melhor? Tirzepartida, Liraglutida ou Semaglutida ?
25/07/2022

 

Cada um tem uma indicação. Então, para falar "qual é melhor", primeiro precisamos saber para qual situação.  

 

Na Medicina, todo tratamento deve ser avaliado de forma individualizada. É necessário haver uma minuciosa avaliação clínica e laboratorial antes de indicar algum medicamento. Conheça um pouco de cada um:

 

Tirzepatida:

Novo no mercado, o fármaco pode proporcionar um resultado próximo ao de uma cirurgia bariátrica (perda de cerca de 21%, com a maior dose). De aplicação subcutânea (injeção), o medicamento atua sobre dois hormônios intestinais, o GLP-1 e o GIP, impactando duas vertentes: a cerebral e a gastrointestinal. Ainda sem liberação no Brasil, ele é indicado para o tratamento de diabetes tipo 2.

 

Liraglutida:

Também antidiabético, é o primeiro medicamento antiobesidade da classe dos incretinomiméticos, agonista do hormônio GLP-1. Mais conhecido pelos seus nomes comerciais (Saxenda e Victoza), a liraglutida é uma substância injetável (de uso diário) efetiva e segura.

 

Semaglutida

Estudos apontam um efeito superior à liraglutida. De aplicação semanal, tem menos efeitos colaterais, principalmente na questão da náusea. Por mais que a recomendação seja aumentar a dose semanal, costumo realizar um protocolo diferente, no qual a pessoa nunca chega à dose máxima e, mesmo assim, consegue um resultado muito bom.

Duas vantagens: ela não fica dependente de medicamentos, tornando mais fácil o desmame, e ainda economiza dinheiro. Não costumo ultrapassar os 6 meses de uso, pois já é um período suficiente para que o paciente perca o peso desejado, sejam 10 kg, 20 kg ou 30 kg. Os efeitos colaterais semelhantes entre os 3: náusea, intestino preso, refluxo, cansaço/fadiga e dor de cabeça. Mas todos eles podem ser contornados por meio de orientações básicas e, se necessário, o uso de algum suplemento.

O acompanhamento médico se faz necessário, não somente para lidar com efeitos adversos, mas, também, porque há contraindicações que, muitas vezes, podem ser perigosas.