VEREADORA NELI TONIELO DENOMINA ÁREA VERDE COM O NOME DE ANA MARIA CARMONA FERREIRA

26/03/2020

A Vereadora Maria Neli Mussa Tonielo, na sessão de segunda feira, denominou ANA MARIA CARMONA FERREIRA a Área Verde nº 2 do Residencial “Luiz Carlos Gimenes – GIGI”. Também fizeram questão de assinar o projeto os Vereadores Dr Paulo Kroll e Rogério Magrini.

 

“Ana Maria Carmona Ferreira nasceu em Sertãozinho e passou sua infância no bairro Jardim Alvorada, onde sua família tinha uma chácara.

 

Era a quinta filha de uma família de oito irmãos. Seus pais: Francisco Carmona, um espanhol conhecido carinhosamente como “Seu Paco”, e Cecí nolia Tonani Carmona, a querida dona Cecília, uma mulher doce e filha de imigrantes italianos.

 

Ana Carmona passou sua infância e adolescência e, como de costume naquela época, saiu de casa para se casar com Geraldo Luiz Ferreira. O ano era 1972, momento em que o Brasil e o Mundo registravam importantes acontecimentos. Aliás, a década de 70 de uma forma geral registrou bons momentos históricos como: o Brasil ser tricampeão da Copa do Mundo de Futebol, no México; a televisão em cores se tornar popular no final dos anos 70, e nomes como: Gilberto Gil, Roberto Carlos, Caetano Veloso, Elis Regina, João Gilberto, Gal Costa, Tom Jobim, Chico Buarque, Clara Nunes, Jair Rodrigues, Raul Seixas e Vinicius de Moraes apresentarem suas músicas ao povo.

 

Ana Carmona e Geraldo Ferreira tiveram três filhos: André Luis, Leandro Francisco e Tanara Regina.

 

Nos anos 90, a família mudou-se para a cidade de Pitangueiras, onde começou a trabalhar com trabalhos manuais. Ana foi professora de pintura e fazia artesanato. Com o passar do tempo, ela foi se aprimorando e começou a trabalhar com decorações para festas de 15 anos, bodas, aniversários, batizados e casamentos. Fazia decorações em toda a região, sempre com seu fiel escudeiro, o marido Geraldo Ferreira.

 

Juntos, eles fizeram muitas festas e durante o trabalho de decoração, Ana se especializou em arranjos de flores, onde também se destacou nos andores da procissão do Bom Jesus da Lapa. “Lembro como se fosse hoje, a nossa garagem parecia a Capela do Bom Jesus, tinha uns vinte andores para serem decorados”, contou um dos seus filhos, André Luis.

 

Muita católica, os padres da cidade sempre procuravam Ana para enfeitar as igrejas em celebrações especiais.

 

Fez trabalhos em grandes projetos como o Casamento Comunitário e a Feira do Livro, ambos realizados pela Prefeitura Municipal de Sertãozinho.

 

Ana tinha um senso de humor incrível. Era uma piadista nata e outra característica era sua vaidade. Sempre arrumada, perfumada e com o batom que a deixava ainda mais linda. O sorriso de Ana ganhava contorno especial, pois ao sorrir, as formas dos lábios expressavam os bons sentimentos que vinham de seu coração e de sua alma.

 

Infelizmente, o céu precisava de uma decoradora e ela foi embora, no dia 19 de junho de 2019. Coincidência ou não, 19 de junho se comemora o Dia do Cinema Brasileiro e Ana Carmona poderia render um ótimo filme com tantas histórias que escreveu ao longo de sua vida – sendo, às vezes, a protagonista; às vezes, a coadjuvante, já que, muitas pessoas relataram à família que ela chegou a decorar diversas festas daqueles que não tinham condições financeiras. E isso ela guardou em segredo.

 

Em tempos de tantas situações de conflitos pelo mundo, poder homenagear uma pessoa como a Ana Carmona é, no mínimo, uma forma de suavizar as tristezas que nos rodeiam vez ou outra.

 

Ana trabalhava com flores, manuseava-as de forma tão delicada que parecia que as plantas faziam uma espécie de balé em suas mãos e se encaixavam perfeitamente nos famosos arranjos que ela tinha orgulho de montar.

 

Assim, é motivo de muito orgulho para todos nós, da Câmara Municipal de Sertãozinho, prestarmos esta homenagem a essa mulher que se foi, mas que espalhou várias flores por onde passou.” (texto retirado do projeto de lei)