Longe dos hospitais, "Expresso Riso STZ" se reinventa para resgatar sorrisos

Longe dos hospitais,
16/11/2020

Pandemia do novo coronavírus fez com que os 'palhaços-doutores' tivessem que trocar o contato físico pelo virtual ou a distância

 

EDDIE NASCIMENTO

 

Eles não conseguem esconder mais a saudade de estar perto dos pacientes. Em meio a pandemia do novo coronavírus, os 'palhaços-doutores' que levam alegria a quem está internado em hospitais da cidade tiveram que se adaptar para continuar resgatando sorrisos. Em Sertãozinho, a coordenadora do "Expresso Riso STZ", Elisangela de Lourdes Pereira Souza explica que mudanças foram feitas para não deixar as famílias sem este tipo de apoio emocional. 

"Esse ano de 2020 devido à situação do Covid-19, da pandemia, nós nos reinventamos. Começamos a fazer os plantões virtuais, que são vídeos elaborados por cada voluntário. Então, eles fazem nas suas casas, enviam para nós, a gente edita e envia para as famílias que solicitam", explica.

É grande o número de pessoas que entram em contato com o grupo para agendar visitas. De acordo com a coordenadora, o "Expresso Riso STZ" de Sertãozinho faz visitas todas as terças e sábados, no período da tarde, mas pelo grande número de pessoas interessadas, o grupo já chegou a realizar os plantões em outros dias da semana inclusive aos domingos.

"São vários amigos que solicitam para pessoas que estão enfermas. São famílias que pedem para pessoas que estão com depressão e que precisam resgatar os seus risos perdidos. Também começamos a fazer as visitas no modo delivery", ressalta.

Além das interações virtuais, o grupo tem feito as visitas de modo presencial, mas com todo o cuidado dentro das normas sanitárias. Eles têm ido até as casas dos solicitantes, e na calçada, ou até na rua, interagem com o paciente. "Existe um agendamento e a população tem ligado para nós. O nosso contato fica nas redes sociais, aí elas entram em contato e a gente faz um agendamento. A gente vai até as residências e ali na calçada, ou na rua a gente interage, faz mágicas, brincadeiras, conta piada cantamos músicas e quando tem o pedido da família, fazemos orações, recitamos poesias. A gente usa a arte do palhaço para trazer momentos de bem-estar e risos para as pessoas que estão em estado de vulnerabilidade, que precisam resgatar esse sorriso", destaca.

O Instituto Expresso Riso surgiu em 2008 na capital paulista, mas o grupo sertanezino surgiu em 2012 através de uma apresentação teatral na igreja Comunidade Cristã de Sertãozinho. Foi através do casal de pastores Levi e Elisângela que o projeto foi iniciado. Hoje, “Expresso Riso STZ" é formado por 65 voluntários, que para se tornarem membros do projeto passam por um curso de capacitação para o trabalho, desenvolvido dentro dos hospitais, visando qualidade, responsabilidade e ética.

"Para participar do projeto existe um curso de capacitação para o trabalho de 'Doutor palhaço', mas devido a essa situação da COVID-19, a gente não pode estar fazendo os nossos cursos porque os cursos são presenciais e temos o contato físico um com o outro, já que é um curso dinâmico e temos aulas práticas dentro dos hospitais, então, no momento, a gente não está fazendo os cursos, mas assim que liberar nós já temos um curso engatilhado para atrair mais voluntários para o Expresso Riso de Sertãozinho", frisa.

Para saber mais sobre o "Expresso Riso STZ", basta entrar em contato através das redes sociais. No WhatsApp (16) 99292-6098; Instagram "expressoriso.stz" ou no Facebook:  "facebook.com/expressoriso.stz".

Fotos