DESTAQUE - Sede da Secretaria de Cultura e Turismo é inaugurada sem denominação

Sede da Secretaria de Cultura e Turismo funciona anexa à Biblioteca Municipal “Dr. Antônio Furlan Júnior”, na Rua Sebastião Sampaio, 1.489, no centro da cidade

Eddie Nascimento

 

As novas instalações da Secretaria Municipal de Cultura e Turismo de Sertãozinho serão entregues hoje, 5, sem denominação. O fato aconteceu porque na última quinta-feira, 3, durante a 14ª Sessão Extraordinária, o projeto de Lei 96/2017, do vereador Acácio Augusto Tobias Vieira (PSDB), não foi aprovado. A ideia era denominar a sede da Secretaria Municipal de Cultura e Turismo como "SONIA MARIA SARTI".

Essa foi a segunda vez na história de Sertãozinho que uma denominação foi rejeitada. Durante a votação, que foi em dois turnos e precisava de dois terços dos vereadores para ser aprovada, houve muita discussão e paralisação.

Logo depois de retomada as conversas, a votação do primeiro turno já dava a ideia de que a denominação não seria aprovada.

O vereador Lúcio Martins de Freitas (PR), que é líder da situação, tentou diversas vezes mudar a opinião dos vereadores que votaram contrários à denominação, sem sucesso. Para ser aprovado, o projeto de lei necessitava, com base na quantidade de vereadores presentes, de pelo menos 12 votos, o que não aconteceu. No segundo turno de votação, o cenário não se modificou e terminou com 10 votos a favor, 3 contrários e 4 vereadores faltantes.

Durante a explicação pessoal, os vereadores que votaram a favor do projeto fizeram uma sequência de pedidos de desculpas a Sonia Sarti, que estava acompanhada de familiares no plenário da Casa de Leis. Já a oposição aproveitou o momento para alertar o prefeito José Alberto Gimenez dizendo não será "tão fácil" aprovar projetos sem embate.

 Como foi a votação

 Favoráveis

Acácio Augusto Tobias Vieira (PSDB)

Antônio Carlos Marcolino (PRB)

Cássia Guarneire Soares Daneze (PMDB)

Eduardo Silva Dutra (PTB)

Lúcio Martins de Freitas (PR)

Márcia Moreira de Sousa Perassi (PSDB)

Maria Neli Mussa Tonielo (PPS)

Renato Aparecido Schiavinato (PV)

Rogério Rodrigues da Silva (PV)

Wilson Fernandes Pires Filho (PSDB)

 

Contrários

Antônio César Peghini (PMDB)

Fernando Francisco da Silva (PSB)

Samuel da Silva (PR)

 

Ausentes

Dino Aleixo Merlin Filho (PSDB)

Paulo Kroll (PSB)

Ricardo Olivare Almussa (PSC)

Rogério Magrini dos Santos (PTB)

 

Ficou na história

 Ontem pela manhã, 4, durante entrevista a Rádio Comunitária FM, Sonia Maria Sarti falou sobre o episódio. Ao contrário do que se esperara, Sonia se mostrou engrandecida com a rejeição do projeto de denominação que, segundo ela, a coloca na história de Sertãozinho. "[Sobre a votação] eu estou engrandecida. A postura dos vereadores contrários e dos que se ausentaram me fizeram ser um personagem histórico, porque esse fato não ocorria na Câmara há 40 anos", relevou Sonia Sarti. "Há 40 anos foi rejeitado um projeto do então vereador Galeno Amorim, que denominava uma das salas da Biblioteca 'Dr. Antonio Furlan Júnior' e dava título de cidadã sertanezina à escritora Lygia Fagundes Telles, que é considera a maior escritora do Brasil. O título dela foi negado, por divergência da maioria dos vereadores com o prefeito que, na época, era o Dr. Trigo. Já, hoje, a história se repetiu por conta de divergência de alguns vereadores com o prefeito (Gimenez)", explicou.

Já sobre os vereadores ausentes que poderiam ter mudado o resultado final da votação, Sonia preferiu manter o tom sereno. "Eu nasci na política e para mim isso é um fato absolutamente normal. Nós vivemos em uma democracia e todos têm a sua opinião", frisou. "Quem votou contrário e quem se ausentou não avaliou o que estava fazendo ao me usarem como 'boi-de-piranha' para atingir o prefeito. Eles me engrandeceram, me tornaram uma personagem histórica", ressalta. 

Sobre projetos futuros, Sonia Sarti admitiu que pretende continuar lutando pela cultura de Sertãozinho normalmente como sempre faz. "Esse fato me motiva a fazer muito mais", finaliza.